Antes de falar sobre mediação online, é bom saber o que está em jogo em um processo

Que a LEONM (Legal Online Mediation) trabalha com mediação online você já sabe. Mas seria esta a melhor maneira de se evitar um processo? Há outros caminhos que podem ser examinados como possibilidades antes de tomar a difícil decisão de acionar a Justiça.

Sendo bem didáticos, antes de um processo começar a se desenvolver, há algumas ferramentas que, usadas previamente, podem evitar que as coisas sejam submetidas à análise de um juiz.

É o caso da famosa conciliação. Além dela há a mediação (presencial ou online), arbitragem e até mesmo negociação.

Antes mesmo de começar a discorrer sobre cada uma delas, é bom pararmos e colocar em pratos limpos o que um processo acaba movimentando em seus bastidores.

A começar pelo dado de que cerca de 85% dos processos no Brasil são de empresas contra… empresas!

Isso mesmo, talvez não seja surpresa para você que é do Direito. Mas de uma forma geral, sentimos necessidade de escrever este post para que se reflita bem antes de querer comprar um briga.

Imagina que você tem uma empresa e começou a ter uma série de desentendimentos com uma outra organização parceira. Não houve jeito de um acordo amigável e, conforme o jargão popular, acabaram indo “pro pau”.

Geralmente quando se usa esse tipo de vocabulário as partes envolvidas estão no calor da emoção. É uma das raras situações na vida em que o que se fala com cabeça quente as pessoas realmente começam a se movimentar para colocar em prática o que se falou em um momento de raiva.

Começa aí uma maratona de trabalho com advogados. Mas quem olha do lado de fora, acha que tudo se encaminha de uma forma retilínea. Se isso acontece, é sinal que o trabalho de preservar ao máximo o cliente está sendo bem executado.

Entretanto, o que se procura não deixar evidente é a verdadeira novela que acontece paralelo a isso, cheia de capítulos com altos e baixos e com a diferença que os atores e as tramas são bem reais.

Um processo desse porte pode levar de 7 a 15 anos para ser resolvido. Isso em uma perspectiva otimista.

A CEO da Leonm, Fernanda Borges, cita um caso perfeito para ilustrar a situação.

Certa empresa contratou uma advogada para cuidar de um processo contra uma outra organização. Está correndo há uma década. Valor reclamado de R$1mi. Até o momento, só com custas judiciais, perícias e outras despesas, já foram gastos cerca de R$750mil.

Pergunta para qualquer advogado da sua roda de amigos que trabalha com direito empresarial se um caso como o citado acima é regra ou exceção.

Além do fator financeiro, há também o desgaste emocional. Se para um advogado é um verdadeiro teste de nervos o vai-e-volta de um sistema judiciário lento, burocrático e cheio de lacunas, imagina para as partes envolvidas!

Se você já passou por uma experiência dessas, deve se lembrar das noite mal dormidas, da ansiedade, daquela terapia que nunca foi necessária (e por causa do imbróglio passou a ser indispensável), das visitas às farmácias para comprar remédios para problemas emocionais que não existiam antes do processo, das enrascadas financeiras que acabam vindo e da mudança no astral do ambiente de trabalho e até mesmo em casa.

Muito pesado.

Dito tudo isso, uma pergunta simples e direta: vale a pena?

Para entender o conceito de mediação online, basta uma pesquisa no Google e encontrará conceitos técnicos muito bem definidos e corretos, com fontes de confiança em plena época de fake news.

Entretanto, nós da Leonm acreditamos que focar em explicação somente dessa modalidade não é suficiente. É necessário saber o contexto e outras formas de se evitar um processo e passar pela experiência estressante que todos passam quando se envolvem em algum.

No próximo post falaremos sobre negociação, conciliação arbitragem e, lógico, mediação online.

Se você quiser compartilhar sua história (sem citar nomes de empresas) sobre sua experiência com um processo e o que aprendeu com ela, basta deixar o seu comentário ou escrever para info@leonm.co.